Cores: significados psicológicos e associações

O livro Psicodinâmica das Cores em Comunicação, escrito por Modesto Farina, Clotilde Perez e Dorinho Bastos, aborda as cores sobre diversos aspectos, destacando o processo da visão e os efeitos fisiológicos das cores, fenômeno do cromatismo e a utilização da cor na publicidade, direção de arte, identidade visual, embalagem e mídia impressa. De acordo com os autores, as cores influenciam o ser humano, e seus efeitos, tanto de caráter fisiológico como psicológico, intervêm em nossa vida, criando alegria ou tristeza, exaltação ou depressão, atividade ou passividade, calor ou frio, equilíbrio ou desequilíbrio, ordem ou desordem etc.

Tomando como base o livro de Farina, Perez e Bastos (2011, p.96-107), apresentamos a seguir uma síntese das associações e significados psicológicos das principais cores:

BRANCO

A palavra “branco” vem do germânico blank (brilhante). Simboliza a luz, e não deve ser considerada cor, pois de fato não é. Se para os ocidentais simboliza a vida e o bem, para os orientais é a morte, o fim, o nada. Por um lado, a cor do leite ou da neve indica neutralidade, pureza, vida quando associada à alimentação (leite), limpeza, castidade, liberdade, criatividade; por outro lado, distante de significar simplesmente paz, o branco representa adição de todos os comprimentos de onda, tornando-se a mais intensa e irritante cor dos fantasmas e dos espíritos. O branco também é a cor do vazio interior, da carência afetiva e da solidão.

Associação material: batismo, casamento, cisne, lírio, primeira comunhão, neve, nuvens em tempo claro, areia clara.

Associação afetiva: ordem, simplicidade, limpeza, bem, pensamento, juventude, otimismo, piedade, paz, pureza, inocência, dignidade, afirmação, modéstia, deleite, despertar, infância, alma, harmonia, estabilidade, divindade.

PRETO

 A cor preta é a ausência de luz e corresponde a buscar as sombras e a escuridão. É a cor da vida interior sombria e depressiva. Morte, destruição, tremor estão associados a ela. Em determinadas situações, é signo de sofisticação e requinte. Deriva do latim níger (escuro, preto, negro). Nós utilizamos o vocábulo “preto”, cuja etimologia é controvertida. É expressivo e angustiante ao mesmo tempo. É alegre quando combinado com certas cores. Às vezes, tem conotação de nobreza, seriedade e elegância.

Associação material: sujeira, sombra, enterro, funeral, noite, carvão, fumaça, condolência, morto, fim, coisas escondidas e obscuras.

Associação afetiva: mal, miséria, pessimismo, sordidez, tristeza, frigidez, desgraça, dor, temor, negação, melancolia, opressão, angústia, renúncia, intriga.

CINZA

A cor cinza pode ser obtida pela mistura do branco com o preto. É uma cor neutra e também o conjunto de todos os comprimentos de onda; representa fundir os estímulos, simplificá-los. Resignação e neutralidade. Eventualmente pode determinar maturidade. Do latim cinicia (cinza) ou do germânico gris (gris, cinza); nós utilizamos o termo de origem latina. Simboliza a posição intermediária entre a luz e a sombra. Não interfere junto às cores em geral.

Associação material: pó, chuva, ratos, neblina, máquinas, mar sob tempestade, cimento, edificações.

Associação afetiva: tédio, tristeza, decadência, velhice, desânimo, seriedade, sabedoria, passado, finura, pena, aborrecimento, carência vital.

VERMELHO

A cor vermelha refere-se a alimentação, assim como a energia e fluxo (sangue), além de remeter a acolhimento (fraternidade). Possui grande potência calórica, aumenta a tensão muscular e a pressão sanguínea. Pode remeter à proibição e à revolução. Interfere no sistema nervoso simpático que é responsável pelos estados de alerta, ataque e defesa. É uma cor quente e bastante excitante para o olhar, impulsionando a atenção e a adesão aos elementos em destaque. O vermelho ainda remete à festividade, no sentido da comemoração popular. É a cor do amor e do erotismo. Como cor da atração e da sedução, se materializa nos lábios vermelhos. É a cor dos chamados “pecados da carne”, dos tabus e das transgressões.

Associação material: rubi, cereja, guerra, lugar, sinal de parada, perigo, vida, Sol, fogo, chama, sangue, combate, lábios, mulher, feridas, rochas vermelhas, conquista, masculinidade.

Associação afetiva: dinamismo, força, baixeza, energia, revolta, movimento, barbarismo, coragem, furor, esplendor, intensidade, paixão, vulgaridade, poderio, vigor, glória, calor, violência, dureza, excitação, ira, interdição, emoção, ação, agressividade, alegria comunicativa, extroversão, sensualidade.

LARANJA

A cor laranja é correspondente ao vermelho moderado. A laranjeira é uma árvore exuberante: tem frutos e flores e em função disso é símbolo de fertilidade. Também não é por acaso que muitas noivas, ao se casarem, procuram buquês com flores de laranjeira. A cor laranja é a que tem mais aroma.

Associação material: ofensa, agressão, competição, operacionalidade, locomoção, outono, laranja, fogo, pôr do sol, luz, chama, calor, festa, perigo, aurora, raios solares, robustez.

Associação afetiva: desejo, excitabilidade, dominação, sexualidade, força, luminosidade, dureza, euforia, energia, alegria, advertência, tentação, prazer, senso de humor.

AMARELO

Amarelo deriva do latim amarylis. Simboliza a cor da luz irradiante em todas as direções. É também conectada à prosperidade, riqueza e à divindade por associação ao dourado. É muito comum a construção de situações antitéticas: uso em oposição à vida cotidiana cinza. O amarelo é um pouco mais frio do que o vermelho e remete à alegria, espontaneidade, ação, poder, dinamismo, impulsividade. Pode sugerir ainda potencialização, estimulação, contraste, irritação e covardia. No entanto, em contraste com uma cor mais quente, o amarelo adquire uma luminosidade maior, chama muito mais atenção e desperta os impulsos de adesão. Usa-se a cor amarela quando se quer ver bem algum objeto.

Associação material: flores grandes, terra argilosa, palha, luz, topázio, verão, limão, chinês, calor de luz solar.

Associação afetiva: iluminação, conforto, alerta, gozo, ciúme, orgulho, esperança, idealismo, egoísmo, inveja, ódio, adolescência, espontaneidade, variabilidade, euforia, originalidade, expectativa.

VERDE

Verde vem do latim viridis. Simboliza a faixa harmoniosa que se interpõe entre o céu e o Sol. Cor reservada e de paz repousante. Cor que favorece o desencadeamento de paixões.  Mistura do amarelo e azul, contém a dualidade do impulso ativo e a tendência ao descanso e relaxamento. É um sedativo que dilata os vasos capilares e tem efeito de reduzir a pressão sanguínea. Suas radiações acalmam as dores nevrálgicas e resolvem alguns casos de fadiga nervosa, insônia etc. Sugere umidade, calma, frescor, esperança, amizade e equilíbrio, além de possuir todas as conexões com a Ecologia e a natureza.

Associação material: umidade, frescor, diafaneidade, primavera, bosque, águas claras, folhagem, tapete de jogos, mar, verão, planície, natureza.

Associação afetiva: adolescência, bem-estar, paz, saúde, ideal, abundância, tranqüilidade, segurança, natureza, equilíbrio, esperança, serenidade, juventude, suavidade, crença, firmeza, coragem, desejo, descanso, liberalidade, tolerância, ciúme.

AZUL

Azul tem origem no árabe e no persa lázúrd, por lazaward (azul). É a cor do céu sem nuvens. Dá a sensação do movimento para o infinito. De acordo com pesquisadores, o azul é a cor mais lembrada quando os ocidentais querem referir-se à simpatia, à harmonia, à amizade e à confiança. A cor azul é a preferida por mais da metade da população ocidental. O céu é azul e por isso azul é a cor do divino, a cor do eterno. A experiência continuada converteu a cor azul na cor de tudo que desejamos que permaneça, de tudo que deve durar eternamente. A cor azul está reiteradamente presente na heráldica dos reis da França e posteriormente na bandeira do país. Outro índice de nobreza é contatado quando analisamos a expressão “sangue azul”, usada para referenciarmos as origens nobres.

O azul-escuro indica sobriedade, sofisticação, inspiração, profundidade e está de acordo com a ideia de liberdade e de acolhimento. Designa infinito, inteligência, recolhimento, paz, descanso, confiança, segurança. Pode ter conotação de nobreza (sangue azul). O azul escuro também apresenta um componente de densidade (o mar profundo e denso tende a ser azul escuro).

A utilização da cor azul como fundo pode trazer para a marca uma maior sobriedade e sofisticação, desempenhando a função de empurrar as figuras principais para frente, caso haja. É a cor mais utilizada para expressar a sensação de frio.

Associação material: montanhas longínquas, frio, mar, céu, gelo, feminilidade, águas tranqüilas.

Associação afetiva: espaço, viagem, verdade, sentido, afeto, intelectualidade, paz, advertência, precaução, serenidade, infinito, meditação, confiança, amizade, amor, fidelidade, sentimento profundo.

VIOLETA

A cor violeta é a resultante da mistura do vermelho com o azul. O lilás contém necessariamente a cor branca. Muitas são suas denominações, quer na linguagem ordinária, quer na pintura: azul-violeta, magenta, malva, vermelho-púrpura, vermelho-azulado, lilás, lavanda, morado (em espanhol: a cor da amora), entre outras. Violeta é diminutivo da provençal antigo viula (viola). Essa cor possui bom poder sonífero.

Associação material: enterro, alquimia.

Associação afetiva: engano, miséria, calma, dignidade, autocontrole, violência, furto, agressão.

ROXO

Roxo nos vem do latim russeus (vermelho carregado). Cor que possui um forte poder microbicida.

Associação material: noite, janela, igreja, aurora, sonho, mar profundo.

Associação afetiva: fantasia, mistério, profundidade, eletricidade, dignidade, justiça, egoísmo, grandeza, misticismo, espiritualidade, delicadeza, calma.

PÚRPURA

Púrpura deriva do latim púrpura. Simboliza a dignidade real, cardinalícia. A cor púrpura no passado era obtida com a tinta de um molusco muito freqüente no Mediterrâneo. A púrpura era obtida por meio de um trabalhoso processo artesanal que, ao final, garantia à cor (púrpura) total estabilidade à luz. Por esse motivo enquanto as outras colorações desbotavam, a púrpura se mantinha – daí sua conexão com a eternidade e, por conseguinte, com a nobreza, realeza e a religiosidade. No antigo testamento há referências à cor púrpura como sendo a mais apreciada. No império Romano apenas o imperador, sua esposa e filhos podiam usar roupas da cor púrpura.

Associação material: manto, igreja.

Associação afetiva: calma, dignidade, autocontrole, estima, valor.

É também a cor da teologia. A cor violeta eclesiástica tem sua origem na púrpura. A cor do poder terreno é, na interpretação eclesiástica, a cor da eternidade e da justiça. Assim, resolveu a igreja o dilema de seus ministros aparecerem como aspirantes ao poder e como humildes servidores de Deus.

MARROM

Ao marrom se associa a cor da pele morena, as cabrochas. Na Antiguidade a cor morena era feminina, por ser a cor da terra e, portanto, da fecundidade. Desde a Idade Média, há referências ao marrom como a cor das roupas populares. Era a cor dos tecidos que não haviam sido tingidos.

Associação material: terra, águas lamacentas, outono, doença, sensualidade, desconforto.

Associação afetiva: pesar, melancolia, resistência, vigor.

ROSA

Resultante da mistura entre vermelho e branco. É o nome de uma flor e também um nome feminino muito comum. As qualidades atribuídas à cor rosa são consideradas tipicamente femininas. Simboliza o encanto, a amabilidade. Remete à inocência e à frivolidade. É uma cor tema e suave muito utilizada em associações com o público infantil, principalmente entre as meninas.

SALMÃO

O salmão é um dos raros animais cujo nome deu origem a um qualitativo de cor na maioria das línguas. Salmão qualifica um cor-de-rosa bastante suave “atirando-se” ao alaranjado. No final do século XIX e no início XX, designava mais uma tonalidade do vermelho que uma tonalidade rosa alaranjada. É verdade que a carne dos salmões outrora não apresentava exatamente a mesma cor desbotada dos salmões dos viveiros de peixes. O êxito da palavra salmão como vocábulo cromático é atestado pela rápida criação do adjetivo “salmonado” para qualificar a nuance de um certo número de cores: bege salmonado, amarelo salmonado etc.

A designação salmão poderá sofrer – como, aliás, já sofre – alguma perda de uso em função da concorrência com a palavra pêssego, que designa uma nuança próxima (cor-de-rosa pálido ligeiramente alaranjado) e contém igualmente uma alta positividade, a idéia de uma vaga doçura aveludada.

PRATA

A prata é um elemento químico (tabela periódica – número atômico 47 – símbolo Ag – argento) da cor da prata. Pela proximidade com o branco, o azul e o cinza, gera efeitos de sentido de frieza e distanciamento. Há na linguagem ordinária diversas denominações para a cor prata: alumínio, cromado, platinado, prateado, ouro branco, prata velha, zinco, níquel, cinza metálico, entre tantas outras.

O gigante mitológico Argos recebeu esse nome em honra à prata, que em latim é argentum e em grego argyros. O gigante era vigilante e mantinha seus olhos sempre abertos, que brilhavam como a prata no firmamento estrelado.

A cor prata carrega os sentidos do luxo e da solenidade, mas a cor principal ainda é o ouro. A cor prata fica como adicional. A cor ouro simboliza o valor ideal, e a cor prata, o valor material. Como o ouro era muito valioso para apresentar na dimensão cotidiana o dinheiro, a prata assumiu rapidamente esta função. Sempre associada ao dinheiro, na França se diz quando uma criança nasce rica: ”nasceu com uma colher de prata na boca”, equivalente ao nosso “nasceu em berço de ouro”.

É também fortemente vinculada à lua. O Símbolo dos alquimistas para a prata era uma meia-lua. O nome da prata na língua Inca é traduzido como “lágrima da Lua”.

A cor prata pode ser também um atributo amável da idade. Usando uma linguagem poética, dizemos cabelos prateados, quando queremos nos referir aos cabelos que ficam brancos ou acinzentados. Em função deste enobrecimento do cinza, a Publicidade faz uso rotineiro da estratégia de chamá-lo prata. A cor prata remete à sofisticação moderna, à tecnologia (e também ao artificial). É signo de atualização, modernidade e requinte.

DOURADO

Pelo fato de o ouro ser raro, pouco abundante, a sua cor tem associação vinculadas à escassez: dinheiro, luxo e até felicidade. A relação ouro e dinheiro é quase inseparável. Em alemão, por exemplo, gold é ouro e geld é dinheiro, ou mesmo no Brasil: nossa moeda (dinheiro) recebeu o nome de Real, vinculação imediata ao ouro. Cor da sofisticação mas de uma sofisticação por meio da nobreza. Atualmente, quando usada em excesso, se constitui em antítese: é signo do popularesco.

No simbolismo cristão, a cor ouro é signo do sagrado. Podemos evidenciar até mesmo a origem da palavra “auréola”, que vem de aurum – ouro: signo revelador da santidade. Percebemos também que as cores do Vaticano são amarelo e branco, ou seja, ouro e prata, que são as cores do primado de Pedro. A fama e o glamour também são intimamente conectados à cor ouro.

As premiações cinematográficas são Palma de Ouro, Galo de Ouro, na China, Leão de Ouro, e também o Oscar de Hollywood é de ouro. Em vários outros âmbitos há premiações de ouro: na moda, por exemplo. A França concede anualmente o Dedal de Ouro, ou ainda o Papa concede à mulher católica com grandes serviços prestados à igreja a Rosa de Ouro (jóia de ouro maciço, com brilhantes e perfumada com incenso). E na Publicidade há o ambicioso Leão de Ouro do Festival de Cannes, na França.

Referência

FARINA, Modesto; PEREZ, Clotilde; BASTOS, Dorinho. Psicodinâmica das cores em comunicação. São Paulo: Editora Blucher, 2011.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s