Curso sobre epistemologia ambiental

Seminário de Ciências Ambientais 2010
Seminário de Ciências Ambientais (UFAM) – 2010

Participei em junho (dias 17 e 18) do mini-curso Epistemologia Ambiental, ministrado pelo prof. Dr. Geraldo Mário Rohde (CIENTEC/RS), que ocorreu durante o I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente na Amazônia, promovido pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia (PPGCASA-UFAM). O mini-curso reuniu professores, estudantes de pós-graduação e pesquisadores interessados em compreender aspectos condicionantes ligados às Ciências Ambientais. Confira a síntese sobre o tópico “Ciência”:

Dr. Rohde destacou a relação conflitante entre as Ciências Sociais e Naturais. “Uma fazia de conta que a outra não existia”, “Ciências Sociais era decoreba, Ciências Naturais difícil”, ressaltou.  Cada uma pegava um objeto e isolava, expulsando outros: botânica é para as plantas, os animais são para a zoologia… Esse tipo de pensamento, hoje, segundo o professor, não pode mais ser concebido, é uma formação defasada.

Ressaltou que nas ciências sempre se tem uma departamentalização do conhecimento. Alguns temas, no entanto, quebram essa convenção. Ele exemplificou com o vírus (cristal que pode ficar vivo) e o buraco da camada de Ozônio. Os conhecimentos separados, as “caixinhas”, não podiam sozinhas resolver esses problemas, houve a necessidade de múltiplos conhecimentos.

Nesse sentido, sublinhou que os limites entre as áreas do conhecimento são arbitrários, polêmicos e, por isso, extremamente discutíveis, por isso é preciso quebrar as “caixinhas” e ampliar a visão. “A gente só faz aparecer um paradigma quando já não se consegue explicar outros…” Citou os estudos de Thomas Kuhn.

“-Eu não estou enxergando [o problema] porque não estou usando os óculos correto”. Dr. Rohde sentenciou: é preciso retirar a viseira… É preciso ainda ter um “desconfiômetro” para efetivar as pesquisas, visto que o problema central [das pesquisas] está na relação figura/fundo, ou seja, no contraste que se está utilizando. Nesse contexto tem que aparecer às relações.

No final do mini-curso, o professor também fez a indicação de filmes que servem de base para uma visão ampliada sobre sustentabilidade, relação homem x natureza: “2012: Um dia depois do amanhã”, “As aventura do barão de Hundsan”, “O ponto de mutação”, “Epistemolgoia Reversa”, “Alice no país das Maravilhas” e “Vida de Formiga”.

Jonas da Silva Gomes Jr | http://www.jonasjr.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s